iG

Publicidade

Publicidade

25/04/2012 - 19:04

casa na árvore

Compartilhe: Twitter

Mais idéias,  não tão malucas, de casas suspensas, são as melhores para não abalar o terreno e impactar da menor forma na natureza, vejam esta casa na árvore.

Bom precisou neste caso, de uma grande árvore,  quem sabe se encaixe no seu terreno?

casa na árvore-londrina

cadê a casa?

Autor: - Categoria(s): construção, sustentabilidade Tags: , , , , ,
22/10/2009 - 15:40

Telhados de madeira

Compartilhe: Twitter

Bem, acho que acabei descobrindo o obvio!
Estou reformando uma casa que herdei dos meus pais. É uma casa antiga, mas muito acolhedora, precisando somente de algumas alterações, está ficando na medida certa para mim que estou sozinho ocupando a casa.
Há uma sala de 6,5×3,5 coberta com uma laje e em frente a sala um quintal enorme 6,5X5,2, que eu pretendia cobrir com laje,uma vez que já há toda uma estrutura em colunas e vigas, visto que na sala a laje está apoiada sobre uma parede de tijolinhos, e acima desta laje apenas uma area morta usada somente para estender roupas.
Pensei em derrubar a laje,aumentar as paredes (pé direito duplo), colocar um telhado com a estrutura de madeira aparente coberto com telhas romanas algumas delas transparentes para permitir a luminosidade , inclusive o telhado se estendendo sobre a nova estrutura que será como um mezanino podendo ser muito bem aproveitado, uma vez que a sala de tv está no andar de cima e ficará colada a nova edificação onde forçosamente eu terei que abrir uma passagem se quiser aproveitar melhor o espaço.
Qual deveria ser a altura da parede uma vez que o telhado teria também a função de cobrir a parte nova da construção com laje, que tipo de estrutura deve ter esta parede que será edificada, para que não caia. Será que posso fazer a estrutura do telhado em eucalipto?
Bem obrigado, desculpe-me pelo alongado da mensagem e espero ter me feito entender.

 
Jorge Benedito Ribeiro
 
 
Olá Jorge, vamos ver se entendi, você tem uma sala com uma laje, pretende demolir esta laje e fazer um pé direito duplo?Legal, vai ficar tipo um “loft”.
Para quem mora sozinho é uma solução muito agradável e amplia os horizontes.
A altura do telhado deverá o bedecer a de uma construção com dois andares.Normalmente um pédireito tem 2,70m livre, portanto considerando que serão dois andares   serão 5,40m livres na parte mais baixa do telhado.
 
Você vai deixar as telhas aparentes?Eu não aconselharia devido ao conforto termo-acústico , goteiras e sujeiras.Você pode colocar sob a telha de cerâmica, a manta  do tipo TYVEC, aquelas prateadas, e depois fazer um forro seguindoia a inclinação do telhado em “gypsum”.Onde colocar telhas transparentes vc faz uma caixa para cima.
 
A estrutura da parede poderá ser feita em tijolo maciço que você poderá deixar aparente ou em bloco cerâmico com colunas e vigas a serem “amarradas” nas existentes do andar de baixo.Já a estruttura do telhado pode ser de eucalipto roliço, mas faria só as tesouras e terças  de eucalipto pois o resto ficaria sobre o forro que pode ser de madeira ou gesso pintado de branco. 
 
i118168
arq Zinho e Daniel Paccaud
 
 
4285B_4
 arquiteto Carlos Ferrari
 
 
 
6893635
arq Jaqueline de Araújo
 
telhado_estrutura
Zanchet madeiras
 
10025_1
Autor: - Categoria(s): miscelanea Tags: , , ,
10/02/2009 - 19:07

Estruturas de madeira

Compartilhe: Twitter

Já que são tantas questões e curiosidades sobre construções em madeira, resolvi pesquisar mais. Lendo a revista Arquitetura e Construção, da Abril, me deparei com uma reportagem suscinta, mas que tem comparativos e valores médios e resolvi reproduzi-la aqui.

Para quem me perguntou o que é a espera metálica para os pilares de madeira, quais as vantagens, se é ecológica… Enfim é bem interessante para quem está iniciando a pesquisa.

Esta reportagem vai explicar mais a questão da estrutura em madeira, incluindo o telhado, de como e quando se fazer uso dela. Sobre a questão da vedação completa em madeira,  já passei as dicas no post anterior.

Edição de setembro de 2005

Como é a estrutura de madeira?
Nesse jeito de construir, as vigas e os pilares (encaixados, parafusados, pregados ou ligados por ferragens) formam o esqueleto da casa. Pode-se usar toras ou peças roliças (em geral pínus ou eucalipto), madeira serrada, aparelhada (aplainada) ou lavrada a machado. “Também dá certo combinar mais de um tipo na mesma construção”, diz o engenheiro paulista Edo Callia. Quanto ao preço, “uma armação instalada no local custa de 15% a 20% do total da construção”, estima o engenheiro Maurício de Almeida, da Orbital Estruturas de Madeira, de São Paulo. “Vale observar que essa conta geralmente inclui a armação da cobertura – diferentemente de outras estruturas, como as de concreto”, acrescenta.

Quando vale a pena usar?
Algumas das vantagens são leveza (o que implica fundações menos robustas) e limpeza na obra (nada de fôrmas nem mistura de cimento, por exemplo). O material cai como uma luva em terrenos acidentados, de difícil acesso ou onde o canteiro de obras é inviável. “Numa pirambeira, a estrutura de madeira mostra-se uma escolha técnica e economicamente coerente”, avalia Edo Callia. A montagem também pode ser bem rápida – especialmente se as peças forem previamente cortadas e chegarem ao canteiro com os encaixes preparados. Detalhe: nem pense em adotar esse sistema sem incluir no projeto recursos para proteger a madeira de sol e chuva, como beirais largos. Um bom plano de elétrica também reduz a chance de curto-circuito, grande causador de incêndios.

E em que casos deve-se evitá-la?
Sensível à umidade, a madeira não vai bem em construções enterradas, com subsolos ou porões. “Exceto as tratadas quimicamente”, diz Marcelo Sacco, da empresa de preservação de madeira Preservam. O material natural até pode ficar em contato com a água, mas apodrece se molhar e secar sucessivas vezes. “Uso uma conexão metálica entre o pilar de madeira e a fundação de concreto” conta o engenheiro paulista Hélio Olga, da Ita Construtora, de São Paulo. Outra peculiaridade: não se acha madeira com mais de 6 m – essa é a medida máxima encontrada no mercado. Quem deseja vencer grandes vãos precisa adotar peças industrializadas de madeira laminada colada (várias ripas unidas formando vigas e pilares longos). “Mas o pínus laminado custa o dobro do comum”, estima Marcelo. Além disso, a junção de paredes de alvenaria (uma das possibilidades de fechamento) com os pilares e vigas é muito suscetível a trincas – causadas pela diferença de movimentação entre os materiais. Frisos de acabamento, cantoneiras metálicas e amarrações com pregos e ferros disfarçam o problema.

Como faço para ter uma?
O primeiro passo é ter em mãos um projeto detalhado da estrutura, feito por quem entende do assunto. Cabe ao arquiteto elaborar o projeto com um engenheiro calculista que o ajude a dimensionar as peças da armação. A execução fica a cargo de carpinteiros, empreiteiras ou construtoras especializadas. Também há empresas que assumem todo o processo: fazem o projeto de arquitetura, calculam e constroem o arcabouço de madeira. E lembre-se: um projeto minucioso reduz as ocorrências de erros comuns, como desperdício e empenamento da madeira.

E a mão-de-obra?
Artesanal, o trabalho de carpintaria responde por boa parte do custo dessa solução. “As toras exigem encaixe minucioso e, por isso, têm montagem mais trabalhosa e cara”, diz a arquiteta Miriam Inoue, da construtora paulista Habitate. “Inicialmente mais dispendiosas, as peças aparelhadas compensam pela montagem mais rápida e barata”, completa. “No final das contas, os custos desses diferentes sistemas podem se igualar.”

Essa é uma alternativa ecológica?
Causa menos impacto ambiental que o concreto, o aço e o alumínio, materiais que consomem energia ao serem industrializados. Também é um recurso renovável, apesar de a derrubada das florestas ameaçar várias espécies. “Cerca de 90% da madeira comercializada vem de desmatamento ilegal”, alerta Lineu Siqueira Jr., do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora). O ideal, então, é adotar madeira extraída em áreas de manejo, onde o corte ocorre de maneira criteriosa e permite que as florestas se recuperem (o selo do Conselho de Manejo Florestal, FSC em inglês, atesta isso; seu site traz a lista de fornecedores certificados). Mas o preço dessa opção supera em até 40% o da madeira sem o selo. Outra opção são os produtos oriundos de reflorestamentos (locais degradados destinados ao plantio de pínus e eucalipto). O porém, nesse caso, são os produtos químicos injetados na madeira para que ela resista a fungos e cupins – uma vez tratada assim, ela deixa de ser biodegradável e não pode ser queimada, ou libera produtos tóxicos no ar. “É encontrada em serrarias ou usinas de tratamento”, diz Sérgio Brazolin, biólogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). E há ainda a madeira reciclada .

Simulação: apesar de muitas variáveis alterarem o preço dessa estrutura, é possível estimar seu custo tomando alguns exemplos. Veja o quadro. ”

Condição/
Empresa
Estrutura de eucalipto citriodora roliço, tratado quimicamente
em autoclave.
Na Callia Estruturas de Madeira.
Estrutura de espécies nativas (itaúba ou pequiá) serradas e aparelhadas.Na Habitate Projetos em Madeira. Pilares e vigas de madeira nativa serrada e aparelhada (peroba-rosa) e caibros de peroba-rosa de demolição. Na Orbital Estruturas de Madeira. Estrutura de madeira
nativa certificada
pelo FSC, serrada
e aparelhada. São usadas diferentes espécies, de cor
parecida. Na Ecolog.
Custo aproximado por m2 da obra. Inclui o projeto da estrutura (mas não o de arquitetura), material e montagem R$ 190. Com a estrutura do telhado
e a colocação das telhas (não inclui
as telhas). Usa conexões metálicas.
R$ 280. Inclui a execução e o projeto do telhado (terças e caibros). Exclui os barrotes (esperas) no piso para o assoalho. A partir de R$ 300, com o frete e a estrutura do telhado (terças e caibros). Utiliza ferragens galvanizadas a fogo
nas conexões.
R$ 350. Incluindo a estrutura do telhado (terças e caibros). Leva conectores metálicos nas junções.
Tempo de execução 30 dias
para 140 m2
20 dias
para 150 m2
30 dias
para 150 m2 ou mais
15 dias
para 100 m2
Peculiaridades do sistema O preço varia conforme o clima, a época do ano, o nível do acabamento, a equipe de carpintaria, a sofisticação e as dificuldades do projeto arquitetônico
ou estrutural.
Valor para terreno plano (em local acidentado, os pilares são mais longos
e usa-se mais material).
O custo sobe se o projeto de arquitetura não seguir as medidas de mercado para a madeira.
Distância da obra, dificuldade de acesso, terreno acidentado e grandes vãos encarecem. Se o projeto arquitetônico for pensado para a madeira (com medidas modulares, por exemplo), o preço cai. Casas muito recortadas e cheias de detalhes, com mais de dois andares, ficam
mais caras.
Autor: - Categoria(s): construção, dicas Tags: , ,
03/02/2009 - 17:50

Madeira na construção: produto ecológico?

Compartilhe: Twitter

Algumas construções ecológicas podem contar com processos de construção ecológicos e outras podem contar com produtos ecológicos. Neste caso acima (projeto da Ecovalle), o madeiramento estrutural e detalhes de guarda corpos e pergolados foram feitos com eucalipto roliço autoclavado (toras roliças). Por que é ecológico?

Madeira tratada é floresta preservada. Ambientalmente correto, o eucalipto não agride a natureza, pois é retirado de reflorestamento e portanto madeira renovável. O eucalipto é uma espécie originária da Austrália que se espalhou pelo mundo. Foi trazida para o Brasil por imigrantes em meados do século XIX. No início do século passado, o engenheiro Edmundo Navarro de Andrade, da extinta Companhia Paulista de Estradas de Ferro, começou a estudar espécies que poderiam substituir as árvores nativas nos dormentes das ferrovias e na produção de lenha. Foi assim que o eucalipto começou a se destacar.

A árvore tem um rápido crescimento, adquirindo mais biomassa em menos tempo em relação às espécies nativas. Entre as aplicações do eucalipto estão siderurgias, carvão vegetal, móveis, portas, armações, postes, dormentes, aplicação rural, construção civil, paisagismo ou como matéria-prima para produção de papel e celulose, chapas e aglomerados, alcatrão, fenóis, tintas, resinas e pigmentos, o eucalipto está presente. Existem 600 espécies de eucalipto, plantado em mais de cem países.

Algumas aplicações do eucalipto tratado: Quiosques, casa de madeira roliça, passarelas, ancoradouros, portais, pontes, escoramento, estrutural, cobertura, ornamental, cercas, pergolas, decks, pisos entre outras.

As dimensões variam: diâmetro 6 a 30 cm e comprimento com até 12 metros.

Autor: - Categoria(s): construção, dicas Tags: ,
Voltar ao topo