Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria miscelanea

21/03/2013 - 19:57

www.arquimariana.com.br

Compartilhe: Twitter
Autor: - Categoria(s): miscelanea Tags:
24/05/2012 - 18:51

casa colonial sempre na moda

Compartilhe: Twitter

Olá boa tarde; tenho intenção de construir uma casa simple como sede de fazenda no interior da Bahia, em média de 60 metros, gostaria de saber em média quanto vou gastar. Já percebi que tenho que deixar o terreno plano e outras coisas. Aguardo respostas !!

Olá Eulálio, não precisa deixar totalmente plano, se tiver um desnível de ate 3 metros de altura numa distancia maior igual que 20m, é interessante aproveitar o desnível usando o andar de baixo como um espaço de sala ou serviços.

Na Bahia imagino que o preço do metro quadrado de construção esteja por volta de R$1000,00/m2 pelo menos.O velho e bom estilo colonial geralmente vai te oferecer melhor custo benefício.

 Maior facilidade de achar materiais como tijolos de um fabricante local, janelas que ate podem ser de demolições, telhas capa e canal ou a taubilha, (aquela telha de madeira tão tradicional de algumas regiões da Bahia), forros de fibra de árvores lindos e artesanais.

Pintura feitas tipo caiação em branco, janelas amplas e  coloridas, piso em cimento queimado e  grandes beirais de telhados.É uma receita muito boa

Condominio terravista Trancoso

Hotel Txai

Hotel Fazenda Cala e Divino

Autor: - Categoria(s): construção, miscelanea, pergunte que respondo Tags: , ,
19/03/2012 - 20:01

Revestindo sem usar o popular porcelanato

Compartilhe: Twitter

Olá Mari, acompanho você há algum tempo, sempre de olho em suas dicas, parabéns pelo trabalho. Estou começando a obra da minha casa, tenho um orçamento limitado e gostaria de planejar os acabamentos para prevenir os gastos. Não pretendo colocar porcelanato, mas ultimamente só encontro dicas sobre este tipo de revestimento. Gostaria de ver algumas dicas de piso cerâmico comum de bom gosto e qualidade. Tenho interesse por um piso sem brilho, com padrão neutro, sem efeito manchado, liso para a casa toda, mas que tenha um correspondente antiderrapante para área molhada e externa. Tenho pesquisado nos sites de empresas, mas a visualização não permite identificar o efeito real desses pisos, já os catálogos de ambientes prontos só trazem os porcelanatos. Você tem alguma dica? Que piso (comum!!!) eu poderia usar para economizar sem perder o charme? Gostaria que recomendasse uma marca e modelo específico! Obrigada e até breve!

 

Olá Josiane, revestimentos de pisos…Com tanta oferta sempre utilizamos o porcelanato…Na verdade este tipo de produto tem tantas nuances, texturas, tamanhos, acabamentos que é a grande vedete dos ultimos 10 anos!Quer um piso facil de lavar?Durável? Pouca ou quase nenhuma permeabilidade?Pois é, é o porcelanato.Preços baixos não é muito o forte dele, os valores para peças acima de 60×60 começa em torno de uns R$100,00/m2 dependendo da onde for comprar.

Bem o piso ceramico tipo GRES também pode ser uma opção num preço pelo menos na metade ou por 1/3.

A linha  da Porto Ferreira existe a natural stone na cor Gray. 

Outro estilo indo para o mais rustico seriam as sceramicas das marcas LEPRI ou MAZZA.

Lepri Ecoslim

Natural Stone Bianco gres

Foras as cerâmicas também pode se usar os cimentos queimados, que ireia abordar num capítulo a parte!

Autor: - Categoria(s): dicas, fornecedores para obra, interiores, miscelanea, pergunte que respondo Tags: , ,
24/01/2012 - 17:54

contatos comerciais

Compartilhe: Twitter
www.arquimariana.com.br

11 30610523 11 30619023

Autor: - Categoria(s): fornecedores para obra, miscelanea Tags: ,
11/11/2011 - 09:58

Chá dançante – Conheça a cor tendência para 2012

Compartilhe: Twitter

A Colour Futures deu a sugestão e a indústria seguiu o conselho. A cor eleita para 2012 será a Chá Dançante. Uma mescla entre vermelho, o laranja e o rosa. Mas onde usar essa cor? Não fica cafona? Indiscreto? Pode pesar no ambiente? São tantas as dúvidas que resolvi esclarecer boa parte delas.

Onde pode ser usada?

A cor do ano pode ser usada em pequenos toques, detalhes, barras de cortinas, vivos de poltronas, ou em paredes e fachadas.

Pintar apenas uma parede?

O ideal é configurar um ambiente alegre e vivo como um lavabo, um quarto de brincar, uma copa, um escritório. Com uma cor destas, mas se você tiver uma parede especial diferente das outras, pode ter um efeito muito marcante, como exemplo, a parede da lareira, a parede da entrada do hall, a parede da sala de jantar. Uma parede onde tenha um quadro tão intenso quanto a cor.

O vermelho e rosa combinam com que tipo de proposta de decoração?

Esta cor está muito feliz, pois combina com qualquer proposta de estilo de decoração, desde uma peça de decoração num ambiente clássico, como um vaso ou almofada ou quadro ou uma moldura quanto um estilo moderno numa parede, num móvel laqueado, muna textura ou papel de parede, num tampo.

A cor influencia de que maneira na casa?

Influencia totalmente no astral do morador aumentando sua energia, vitalidade e paixão.

Na cromoterapia, o Rosa Chá é um ativador e acelerador. Acelera o fluxo de sangue, aliviando o mal estar, em pessoas com pressão baixa. E em pessoas com franqueza, ativa o físico.

Age também como desobstruidor de veias e artérias, permitindo maior fluxo de sangue. Purificante na eliminação das impurezas e gorduras depositadas no interior das veias e vasos, desobstruindo o aparelho circulatório. Além de agir como vitalizador. Nos estados anêmicos, proporciona um melhor aproveitamento da energia do organismo, por meio da aceleração sanguínea.

Quando se deve usar uma cor chamativa como vermelho e rosa?

Sempre que queremos ousar na criatividade, surpreender mudar de ambiente estar num lugar novo diferente de tudo, nos remete a novos horizontes abrindo a mente para novas opções e visões.

Quais tipos de tinta combinam com o chá dançante?

Na verdade existem muitas, desde as pastéis, como rosas pálidos, cremes e cinzas, como azul marinho vibrante, uva ou um verde vagem.

Quais fabricantes de tinta são os mais recomendados para adquirir esse tipo de cor?

Recomendo a Coral em primeiro lugar, pois o estudo deles é muito bem feito.

Essa cor pode enjoar?

Toda cor pode enjoar!

É importante fazer manutenção da cor com o tempo?

A repintura de uma cor intensa ocorre antes do que uma cor quase branca por uma questão de desbotamento. Se for usada em paredes externas, mas no geral, dura até mais.

Quais ambientes não se recomenda a utilização do chá dançante?

Em ambientes que se buscam calma, tranquilidade como quartos, salas de yoga e meditação.

Autor: - Categoria(s): condominios, dicas, interiores, miscelanea Tags:
04/10/2011 - 12:24

Qual o tamanho de terreno ideal para se construir?

Compartilhe: Twitter

Existe um tamanho ideal de terreno para se construir? Clique  aqui e assista minhas dicas.

Autor: - Categoria(s): condominios, construção, dicas, miscelanea Tags:
26/05/2011 - 19:10

Telhas para controle térmico e acústico

Compartilhe: Twitter
 Tempos atrás construí um galpão e usei telhas onduline para a cobertura. A telha é bem leve e absorve bem os impactos (dá para bater nelas com uma marreta) mas são péssimas como isolamento térmico pois o galpão, mesmo sendo bem ventilado, vira um forno em dias de calor. Pesquisei e descobri outras pessoas com o mesmo problema .um colega meu falou que um dos problemas é que elas só são encontradas em cores escuras (absorvem muito o calor de irradiação), são finas (baixo isolamento para condução térmica), e como tem betume (piche) na composição com o tempo elas acabam grudando umas nas outas vedando a maioria das frestas que ajudariam na ventilação…Agora tenho um terreno em declive e vou montar outro galpão. Penso em usar tijolos solo-cimento como experiencia, e vou tentar as telhas tetra-pak para ver se pelo menos estas funcionam, senao terei que voltar às velhas telhas de cerâmica

Leandro
 
 
Olá Leandro, conheço bem este problema das telhas comumente usadas.Elas tem estas características que você menciona mesmo.Em soluções comerciais ou residenciais, é possível se fazer forros e colocar no entre forro materiais isolantes.No caso de uma indústria ou galpão, o uso deve ser bem mais robusto , sem tanta manutenção como em residencias.Em termos de resultado comprovado de eficiência ainda não conheço melhor que as telhas metalicas termoacusticas.O fato do acabamento ser escovado, ajuda a refletir melhor os raios solares.Ela conta com um sanduíche de chapas trapezoidais recheadas por basicamente 3 tipos de isolantes.Cada um com um grau maior de isolamento.Já escutei de umas telhas ecológicas que melhoram um pouco a questão, mas com eficiencia mesmo eu pessoalmente só testei esta.E acho que sinceramente o gasto a mais compensa, pois ameniza muito o clima interno do galpão, evitando de se gastar energia com outro tipo de resfriamento
 
TELHA TERMOACÚSTICA
 
Condutividade Térmica

As telhas metálicas com isolamento termoacústico têm baixo coeficiente de condutividade térmica
e são utilizadas em projetos que visem ao conforto e ao bem-estar das pessoas. Elas podem ser
feitas sob medida, no tamanho exato do projeto. 

 

    

   

   

   

A Condutividade Térmica é calculada através da equação:

(F) é o fluxo de calor, (K) coeficiente de condutividade térmica, (A) área total, (X) espessura da parede e (T1 – T2)
as trocas de calor. O melhor revestimento é o de menor índice de condutividade térmica. Veja a tabela com
coeficientes de condutividade térmica (K) dos diversos produtos:

Veja a tabela com Coeficientes de Condutividade Térmica (K) dos diversos produtos:

MATERIAL FATOR À TEMP.
EMBIENTE
(kcal/m.h.ºC)
DENSIDADE
Kg/m³
ESPESSURA
(mm)
 Lã de Rocha FSR-32 0,030 32 30
 Lã de Rocha FSR-32 0,030 32 50
 Lã de Rocha FSR-32 0,030 32 100
 Poliestireno F1 0,028 13 30
 Poliestireno F1 0,028 13 40
 Poliestireno F1 0,028 13 50
 Poliestireno F3 0,026 20 30
 Poliestireno F3 0,026 20 40
 Poliuretano 0,016 35/40 30
 Poliuretano 0,016 35/40 40
 Poliuretano 0,016 35/40 50
 Poliuretano 0,016 35/40 100
 

Vantagens

  • Redução no índice de acidentes por fadiga;
  • Evita custos desnecessários com refrigeração;
  • Aumento de produtividade e economia de energia;
  • Redução no controle de emissão sonora externa em processos produtivos;
  • Satisfação dos funcionários no processo produtivo graças às condições agradáveis no ambiente de trabalho.

Tabela site:www.anandametais.com.br


Autor: - Categoria(s): construção, fornecedores para obra, miscelanea, pergunte que respondo, sustentabilidade Tags: ,
04/03/2011 - 17:07

www.arquimariana.com.br

Compartilhe: Twitter

Meu site profissional , meus contatos profissionais e mais dicas

abraços

Autor: - Categoria(s): miscelanea Tags:
04/03/2011 - 11:01

Estruturas Metalicas para Residências

Compartilhe: Twitter

Mari, tenho um terreno em declive, com 12 de frente e 33 de fundo, com queda de 7 metros. Penso em construir usando estruturas de aço invés de concreto. O que pode me dizer sobre este tipo de estrutura, precauções, custos, etc. A casa terá 3 suites e estimo máximo de 200 metros quadrados. Desde já obrigado

Olá Maurício

Você tem um belo terreno e a estruturação em metálica pode ser vista com bons olhos em relação a tempo a um custo competitivo dependendo da região do Brasil que você estiver.também é possível usar estruturas metalicas de forma mista com alvenaria e concreto.As precauções básicas são em relação a ter um bom projetista e uma equipe capacitada que saberá lidar com aspectos de corrosão, modulação, rigidez, exposição e proteção a fogo etc.

PILARES MISTOS

Os pilares mistos, de maneira geral, são constituídos por um ou mais perfis de aço, preenchidos ou revestidos de concreto. A combinação dos dois materiais em pilares mistos propicia além da proteção ao fogo e à corrosão, o aumento da resistência do pilar. Essa combinação contribui para o aumento na rigidez da estrutura aos carregamentos horizontais. A ductilidade é outro ponto que diferencia os pilares mistos, os quais apresentam um comportamento mais “dúctil” quando comparados aos pilares de concreto armado.

Existem também outras vantagens, tal como a ausência de fôrmas, no caso de pilares mistos preenchidos, possibilitando a redução de custos com materiais, mãode- obra e agilidade na execução.
Os pilares mistos são classificados em função da posição em que o concreto ocupa na seção mista. A figura 7 ilustra algumas seções típicas de pilares.

Os pilares mistos revestidos caracterizam- se pelo envolvimento, por completo, do elemento estrutural em aço, conforme ilustra a figura 7(a). A presença do concreto como revestimento, além de propiciar maior resistência, impede a flambagem local dos elementos da seção de aço, fornece maior proteção ao fogo e à corrosão do pilar de aço. A principal desvantagem desse tipo de pilar é a necessidade de utilização de fôrmas para a concretagem, tornando sua execução mais trabalhosa, quando comparada ao pilar misto preenchido.

 

FIGURA 7: Exemplos de seções típicas de pilares mistos.FIGURA 7: Exemplos de seções típicas de pilares mistos.

 

Os pilares mistos, parcialmente revestidos, caracterizam-se pelo não envolvimento completo da seção de aço pelo concreto, conforme ilustra a figura .Os pilares mistos preenchidos são elementos estruturais formados por perfis tubulares, preenchidos com concreto de qualidade estrutural, conforme a figura .A principal vantagem é que este dispensa fôrmas e armadura e é possível ainda a consideração do efeito de confinamento do concreto na resistência do pilar misto. Fonte: portal Metalica

Uma casa em estrutura metálica e revestida em vidro pode ser uma experiência de sucesso no design e na sustentabilidade a R-128

Implantado no topo de uma montanha, com vista para Stuttgart e longe dos olhos de curiosos, o projeto incorporou a experiência fantástica de liberdade e contato direto com a natureza e as estrelas que o casal de arquitetos viveu no Iêmen. Para estar com a natureza, a transparência do vidro. Para estar de bem com o meio ambiente – e com a própria consciência -, uma construção toda erguida com materiais recicláveis, auto-suficiente na produção de energia térmica e ainda capaz de gerar eletricidade por elementos fotovoltaicos.

Continuidade, minimalismo, luxo e muito conforto resumem a ambientação de interiores, pensada para proporcionar o máximo de flexibilidade, característica garantida sobretudo pelas instalações elétricas e hidráulicas, cujos dutos são conduzidos por canais feitos de folhas de alumínio (recicláveis) que atravessam o interior da fachada. Não existindo camada inferior de reboco, ou qualquer outro revestimento sobre o fechamento de vidro, os canais ficam disponíveis e podem ser abertos para alterações em qualquer ponto, e a qualquer hora.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aspecto marcante do projeto da casa R-128, o conceito para produção e reaproveitamento de energia térmica determinou uma estrutura em vidro triplo com 10 cm de espessura, preenchida de gás inerte e barreira de convecção, além de revestida com folha de metal que reflete raios ultravioleta. Assim encapsulada, a casa está totalmente isolada em relação às temperaturas externas e mesmo que o gelo se cristalize sobre a superfície externa da parede de vidro, ou que o verão seja extraordinariamente quente, o interior permanece em temperatura agradável.

A circulação do ar também constitui importante função para a manutenção do conforto térmico e para o caráter sustentável da residência. O sistema regula não só a circulação geral do ar, como promove também a recuperaçao do calor proveniente da exaustão, não perdendo, assim, sua energia térmica. A temperatura interna é automaticamente regulada em cada andar da casa e, caso ultrapasse o nível desejado, os registros de transferência de calor instalados no teto serão preenchidos com água fria. Aquecida pela energia térmica, a água dos registros é bombeada para baixo, onde se encontra o convertor que armazenará seu calor em reservatório isolado, até que ocorra nova queda de temperatura.

Sustentabilidade na pele
Nas fachadas sul e norte, as placas de vidro medem 2,80 m de altura por 1,36 m de comprimento; nas leste e oeste, 2,80 m por 1,42 m. O que definiu as dimensões das placas foi o comprimento máximo possível das folhas de isolamento térmico. Desta forma, priorizou-se um conceito mais econômico, com menor número de peças e, por conseqüencia, maior rapidez de montagem e desmontagem, sem contar a beleza provida pela continuidade.

A casa R-128 prova que um projeto sustentável pode ser arrojado e funcional. Em arquitetura, a sustentabilidade está no aproveitamento das condições climáticas, no baixo consumo de energia, no custo da contrução e no uso de materiais com pouca energia incorporada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conforto Térmico
A temperatura interna é automaticamente regulada em cada andar da casa e, caso ultrapasse o nível desejado, os registros de transferência de calor instalados no teto serão preenchidos com água fria. Aquecida pela energia térmica, a água dos registros é bombeada para o convertor, fixado sob a placa de fundação, que armazenará seu calor em reservatório isolado, até que ocorra nova queda de temperatura.

O ar fresco pode ser aquecido ou resfriado. Para que a temperatura constante do solo seja utilizada como fonte de calor ou de resfriamento para o ar de entrada, ele é transferido primeiramente para o convertor, e, em seguida, sugado pelo bloco sanitário. No inverno, o calor da exaustão será utilizado para o aquecimento do ar frio de entrada, que chegará a 20 graus. Esse sistema complexo de reciclagem da energia térmica limita a perda de calor do ar em até 30% no inverno.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FICHA TÉCNICA
Arquiteto: Werner Sobeck
Projeto geral: Werner Sobeck Ingenieure, Stuttgart
Projeto de energia: Transsolar Energietechnik, Stuttgart
Projeto hidráulico: Ing.-Büro Müller, Weissach

FORNECEDORES
Aço e fachada: Se-Stahltechnik, Stammham; vidro: Glas-Fischer, Murr; Guardian, Thalheim; Bischoff Glastechnik, Bretten; piso: Merk-Holzbau, Aichach; instalações elétricas: Elektro Tausk, Stuttgart; sensores: Jochen Köhnlein Gebäudeautomation, Albstadt; mobiliário: Fleiner, Stuttgart

Por Giovanny Gerolla

Fonte revista AU

Autor: - Categoria(s): construção, miscelanea, pergunte que respondo, sustentabilidade Tags: , , , ,
09/02/2011 - 16:10

Como se prevenir dos estragos e tirar bom proveito da chuva

Compartilhe: Twitter

Ao que tudo indica, as tempestades deram uma pausa. Aproveite esse momento para avaliar os danos no imóvel e implantar melhorias para aproveitar a água da chuva.

Fique atento(a) – Procure por trincas, fissuras, rebocos vencidos, problemas em esquadrias, lajes com infiltrações e até impermeabilizações dos solos mal feitas ou vencidas. Onde há umidade o mofo, as bolhas e os descascados são inevitáveis.

Retire os mofos e o bolor – Lave bem o local com mistura de água e agua sanitária, retire o excesso com água limpa e deixar secar. Lixe a superfície para remover o bolor. Com a parede seca, pinte a parede.

Bolhas e Descascados – Raspe a região estragada e lixe na sequência para nivelar a superfície. Remova a poeira acumulada com pano úmido. Quando seco, pinte em camadas de tintas transpirantes como PVA/acrílica e evite as de esmalte, que pode criar bolhas.

Aplique argamassa em rebocos e lajes – Utilize brochas e pinceis flexíveis para evitar trincas. Opte por argamassa impermeabilizante superflexivel elastomérica, que veda a passagem da água e é mais fácil de aplicar. É recomendável que passe uma demão por dia durante quatro dias seguidos.

Previna-se – Drene o terreno, limpe as caixas de inspeção; cheque anualmente as vedações nas esquadrias, as calhas e o telhado; desobstrua a tubulação e remova os resíduos. Pinte o lar a cada quatro anos e faça reparos no reboco para manter as paredes impermeáveis. Por fim, invista num beiral para evitar que paredes e esquadrias fiquem expostas às intempéries.

Aproveite a água da chuva – Utilize as calhas dos telhados para coletar água das chuvas, que conectadas a um filtro autolimpante, encaminham a água já purificada até um tanque subterrâneo ou cisterna, que estoca o líquido sem contaminação. A água pode ser usada para diversos fins, desde descarga em banheiro até torneiras externas para irrigar jardins, piscina, e limpar carros e calçadas.

Autor: - Categoria(s): dicas, miscelanea Tags:
Voltar ao topo