Publicidade

Publicidade

Arquivo de novembro, 2009

26/11/2009 - 19:35

Salas integradas com a piscina?O piso faz isso

Compartilhe: Twitter

Oi bom dia! Tenho um salão de 100 m2,e no fundo tem mais 6 mt mais vai ser a piscina ,qual seria o piso e o revestimento,no salão e para a piscina também,obrigada.

Olá Kelly, opções de revestimentos realmente não faltam e falar de todos não te ajudaria, mas tem alguns em especial que gosto bastante.

O ideal é tentar uniformizar as superfícies de pisos não cirando muitas variações, principalmente se seu estilo for mais moderno.

 

Numa sala de jogos, ou festas que você dispõe perto de uma piscina, poderia ficar muito elegante fazer em madeira, tabua larga ou taco  em cumaru ou peroba e continuar o piso da piscina com deck em madeira na mesma cor.Visualmente ficariam ligados os ambientes e automaticamente dá uma ampliada.

 

Seguindo esta mesma idéia, mas gastando menos da metade , você poderia fazer um piso em placas de granilite ou fulget em tons de areia e na borda da piscina usar um piso atérmico da marca SOLARIUM no mesmo tom.

O que é granilite???

O GRANILITE é confeccionado com os seguintes materiais: Agregado Minerais moídos: (Mármore, Calcário, Quartzo, etc.) e Cimento (comum ou branco) conforme proporção abaixo:

  • 08 mm – agregado 14 kg. – cimento 08 kg.
  • 10 mm – agregado 16 kg. – cimento 10 kg.
  • 12 mm – agregado 18 kg. – cimento 12 kg.
  • 15 mm – agregado 28 kg. – cimento 16 kg.

Para piso de 12 e 15 mm, acrescentar 04 kg. de agregado p/m2 para semea.
Na superfície usar rolete e desempenadeira de aço.
A cura poderá ser feita com água.
Após a cura, que deverá ser feita com água, pode-se entrar com polimento. Primeiro esmeril de grão n.36 para polimento grosso, e em seguida esmeril n.120 para calafetar com cimento da mesma marca para fechar os poros.
Após 3 a 4 dias, passar máquina com esmeril n.180 para tirar o excesso de cimento da superfície e dar o acabamento liso.
O acabamento final pode ser feito com cera à base de petróleo ou duas demãos de resina acrílica, isto já com a superfície seca.

contato:edilson@granilite.ws

granilites 

Ficaria com visual clean, elegante e daria uma sensação de espaços maiores.

Abaixo colhi uns exemplos maravilhosos!

isay weinfeld-casa-piscina
isay weinfeld-casa-piscina
pedreira-freitas-residencia-terraco

pedreira-freitas-residencia-terraco

 
bernardes e jacobsen

bernardes e jacobsen

kogan-casa-piscinas

kogan-casa-piscinas

Saul Vilela

Saul Vilela

casa-reinach-sala

casa-reinach-sala

Ximenes Leite Arquitetura e Mario Biselli

Ximenes Leite Arquitetura e Mario Biselli

Autor: - Categoria(s): construção, exteriores, fornecedores para obra, pergunte que respondo Tags: , , , ,
23/11/2009 - 19:01

Como chamar a atenção?

Compartilhe: Twitter

Bom dia Mari!
Estou reformando um hotel que tem de comprimento 48m e as janelas todas de vidro blindex . Gostaria de uma dica de fachada bem legal e qual cor pintar para atrair clientes.O meu hotel fica na BR 262 km 116 em Abre Campo-MG.
Abraços,
Staell

 

Olá Staell, dica para chamar a atenção???Tenho uma ótima!!!Iluminação noturna com néons!

Dá uma olhada nos Motéis americanos, ou aqueles hotéis de Las Vegas, iluminação é tudo!Pede para o arquiteto ou “lighting designer” da sua cidade fazer parecido!

coisicando.blogspot 

Agora de dia para chamar a atenção o negócio é colocar painel, , um outdoor com uma super foto das piscinas, camas e ou comida com os valores da diária em promoção.

 

Mas a dica mais importante é que talvez um arquiteto, não te ajude muito num primeiro momento, mas sim uma boa agência de publicidade, pois ela irá direcionar para o seu público alvo o marketing , verba, projeto, etc.nós arquitetos podemos trabalhar direcionados por uma agência, pois ela já definiu a cara do cliente e o público alvo.

 

Você primeiro vai se perguntar que tipo de cliente você quer?E depois definir a estratégia, para assim não ficar atirando para todos os lados, gastando e não atingindo o objetivo.

 

Qual é a meta?Depois disso definido podemos voltar a conversar!

 

Abraços

 
coisicando.blogspot
Autor: - Categoria(s): dicas, pergunte que respondo, projetos comerciais Tags: , ,
19/11/2009 - 20:17

Ventilação e Iluminação Natural é Saúde!

Compartilhe: Twitter

Estou sem ventilação nos quartos da minha casa,o que devo fazer? devo colocar janelas dentro de casa nos quartos ? Que tipo de janelas?

 

Olá Lílian, fiquei com medo…Colocar janelas dentro dos quartos?COM CERTEZA,desde que dêem para fora da casa, se não você nem conseguiria uma aprovação para a construção!!! 

Janela serve para ventilar e também para a iluminação natural do ambiente.O cálculo rápido que fazemos é que vc deve ter pelo menos 0,6m2 de área e ter dimensões proporcionais à área do cômodo.  Para insolação de quartos, e salas destinamos no mínimo 15 % da área do ambiente e 8% da área para ventilação.Isso quer dizer que num quarto de 3×3 você deve ter uma janela com no mínimo  1,15×1,15 de área de vidro e a metade para a ventilação.O tipo de janela, na verdade tanto faz, desde que combine com o estilo da casa.Madeira dá mais trabalho, mas são as mais bonitas,aluminio são as mais práticas , existem as de ferro que talvez sejam as mais baratas, mas podem enferrujar, e as de pvc que vedam super bem, mas os valores estão ainda maiores.

 

 

Veja um belo exemplo de casa bem iluminada e ventilada, fazendo muito bom uso de ventilação cruzada, neste caso foram usadas painéis de madeira envernizada pivotantes e sanfonados (portas-camarão) e janelas superiores basculantes

 

 

 

i133009

i133004

Confira quem fez

Projeto: Fernando Vianna Peres

Colaboração: Ana Paula Cairrão

Construção: Venício de Lourdes Lopes

Autor: - Categoria(s): construção, pergunte que respondo Tags: ,
17/11/2009 - 19:30

Ruídos e ecos: como absorvê-los

Compartilhe: Twitter

Olá, tenho uma sala de aprox 50m2 para eventos. Essa sala é retangular 10×5 e altura de 4m. Tem um porta e sem janelas. Tem um eco infernal e quase não dá para conversar dentro da sala. O que devo fazer para tirar esse eco? Vitor

Olá Vitor, lá vou ao assunto de acústica de novo!

Bom, um lugar com eco precisa de absorção sonora, o que pode ajudar a absorver o som?

Tecidos grossos como veludo nas janelas, tapeçarias nas paredes, projeção de material isolante no forro como jateamento de fibrocelulose, etc etc. A solução , é claro, vai depender de quanto $$ você poderá investir. 

Para ser sincera existem muitas formas de você “atacar” acusticamente um ambiente.Você pode conseguir uma ótima absorção dos ruídos, mas o som ambiente do seu evento vai ficar abafado e sem ser difundido.Neste caso você também irá precisa de um difusor sonoro para difundir o som, sem alterar substancialmente o RT (tempo de reverberação sonora). São normalmente aplicados de forma centralizada sobre superfícies de madeira ou alvenaria.Veja este exemplo:

 produtos-difusorWaveline-01produtos-difusorWaveline-02produtos-abshybridline-03g

Laboratório de Acústica e Áudio
Rua Heitor de Morais, 1125, Perdizes
São Paulo SP
CEP: 01237-000
Tel.: (11) 3801-1410 / (11) 3862-4209
Cel.: (11) 8115-1277
e-mail: jorgeknirsch@byknirsch.com.br
By Knirsch Áudio & Vídeo Ltda.
R Vespasiano, 795, Vila Romana
São Paulo SP
CEP: 05044-050
Tel.: (11) 38011410 / (11) 3672-2071
Cel.: (11) 8115-1277
e-mail: byknirsch@byknirsch.com.br
   

 Um bom lugar para você “atacar” também é o forro.Usados normalmente para distribuir as instalações de segurança, ar-condicionado e iluminação, os forros ganharam outra função e vêm sendo indicados por suas funções termoacústicas. Os modelos chamados de acústicos são aqueles com alto desempenho de absorção sonora. Podem ser feitos de materiais porosos ou fibrosos, perfurados ou ranhurados, rígidos ou semirrígidos, ou de estrutura microcelular.

“Eles proporcionam uma adequada absorção sonora nos ambientes internos, melhorando o tempo de reverberação do som. Também propiciam maior privacidade, atenuando a transmissão do som através do plenum de um ambiente para outro”, explica Mitsuo Yoshimoto, físico do Laboratório de Conforto Ambiental e Sustentabilidade dos Edifícios/Cetac, do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo).

Os forros acústicos devem atuar em conjunto com outros elementos, como pisos e paredes. A recomendação é a de que sejam especificados por profissionais especializados em acústica e já no início do projeto, para que haja uma análise mais ampla e de forma coerente e econômica. “As tentativas de corrigir a acústica de ambientes já construídos normalmente caem em soluções pouco eficazes e muito onerosas”, justifica o professor da Faculdade de Engenharia da Unesp-Bauru, o engenheiro João Candido Fernandes em sua apostila Acústica e ruído.

“Dentre todos os elementos, o teto é a principal área de reflexão dos sons gerados dentro de um ambiente”, lembra a arquiteta Danubia de Lima Grotta em sua dissertação Materiais e técnicas contemporâneas para controle de ruído aéreo em edifícios de escritórios: subsídios para especificações. Além disso, os forros são mais disponíveis para o tratamento acústico que os outros elementos. “Seja por questões estéticas, higiênicas ou até de manutenção”, alega Nelson Solano, arquiteto e consultor de conforto ambiental da Geros.

 i126245

CONTROLE DO SOM NO AMBIENTE

Os forros também podem apresentar a propriedade de atenuar e articular o som de forma a oferecer privacidade acústica entre dois ambientes adjacentes, principalmente em espaços corporativos, onde o som pode penetrar no plenum e ser transmitido para outras áreas.

Apesar de depender de vários fatores, a qualidade acústica do local pode ser resumida em inteligibilidade do som, ou seja, a porcentagem de som que um ouvinte consegue entender. Uma das causas da falta de inteligibilidade nos espaços é a reverberação. A absorção do som pelo forro acústico é uma das formas de controlar a reverberação e auxilia na uniformização do campo acústico, garantindo a inteligibilidade e o conforto. “Mas o uso de materiais absorventes deve ser encarado com cuidado, pois eles não absorvem igualmente todas as frequências, causando distorções no som”, alerta Fernandes. Se a preocupação é a conversa, os níveis padrão de absorção sonora serão entre 500 Hz a 4.000 Hz. Para a absorção de ruídos de baixa frequência, como o ronco de um motor com frequência abaixo de 500 Hz, deve-se buscar um produto que apresente bom desempenho nessa faixa.

 i126240

O FORRO IDEAL

O desempenho dos forros varia de acordo com sua espessura, montagem e acabamento. “A absorção sonora depende muito da altura do plenum e do acabamento aplicado na placa”, explica Yoshimoto.

O uso mais comum do forro acústico acontece em espaços corporativos, principalmente em open space, como forma de organizar o som interno e propiciar maior conforto.

Segundo estudos realizados pela Armstrong, o impacto do ruído em escritórios panorâmicos é significativo, e pode ser corrigido com um bom projeto de acústica. Está comprovado que o ruído das conversas e dos equipamentos reduz a efetividade do trabalho e o nível de satisfação dos empregados, que o identificam como o principal fator causador de stress, distração e perda de produtividade.

Apesar da popularização do forro acústico ainda há espaços como restaurantes e salas de aula que não se beneficiam das qualidades do produto ou onde são aplicados de forma errada. “O forro de gesso liso é usado erroneamente em restaurantes e escritórios criando verdadeiros hospícios acústicos”, revela Solano, para quem a carência de tratamento nas salas de aula é mais problemática. “Afeta o rendimento, o aprendizado e a sociabilidade da criança”, afirma.

Ao escolher o forro acústico, considere os fatores:
Tipo de ocupação
Ambiente a construir ou construído
Propriedades termoacústicas
Resistência ao fogo
Sistema de suspensão e fixação

 

Influência da absorção na isolação do som, associada à isolação térmica, tratando-se de entreforros

Soluções de piso, paredes e áreas imediatamente acima dos ambientes em uso
Interferências no tempo de reverberação, na difração e na reflexão do som
Atendimento às normas ambientais
Compatibilização com coberturas, pé-direito e iluminação
Facilidades de instalação, manutenção e reposição de peças
Modulações, cores e padrões
Grau de sustentabilidade do material

i126239

Autor: - Categoria(s): construção, dicas, fornecedores para obra, pergunte que respondo Tags: , , ,
12/11/2009 - 12:27

Casa suspensa no ar

Compartilhe: Twitter

Prezada Mari !
Não me canso de ler todas as matérias do seu blog, nesse primeiro contato solicitarei uma indicação, mas saberei entender se não houver tempo para me atender.

Acabo de adquirir um terreno no Itanhangá, RJ, de fundos para uma mata fechada onde há um riacho e dentro de um arejado condomínio de 23 lotes. O meu é o menor, 1260 m², sendo 20 F x 47,5 E x 39 D e 32m de fundos, com declive acentuado. Começa com cota 45m e termina cota 20m.

Pretendo algo em torno de 120 m², talvez em tijolo ecológico, madeira e blindex ou vidros grandes para contemplar a área verde.  Penso em dois andares internos acompanhando o desnível do terreno, para não acabar num precipício. Haveria algum projeto estilo rústico, com telhado diferenciado e vidros para clarear?
Atenciosamente
Jorge

Nossa Jorge, entendi bem? 25m de desnível? Veja se é isso mesmo!!

Como você pretende construir poucos metros, achei que deveria necessariamente utilizar dois níveis. Sendo o social em cima  e com acesso mais fácil, e uma garagem vindo da rua e os quartos abaixo.

Pesquisando na internet, acabei topando com este projeto muito legal e simples para exemplificar um projeto interessante. Foi para um concurso da Empresa Masisa de compensados. O segundo colocado, o arq. André Eisenlohr, fez este projeto abaixo:

inst

Com o conceito orgânico de integração com o entorno, o arquiteto optou por deixar a casa com toda sua estrutura aparente, composta por pilares de eucalipto e vigas de muiracatiara, espécies que vem sendo reflorestadas de forma sustentável.

A cobertura é composta por telhas de fibra vegetal. Situada em um terreno em declive acentuado, a execução da obra permitiu que o arquiteto usasse sua experiência em técnicas de alpinismo e montanhismo, como o uso de reduções de peso com cordas e polias.

A casa foi construída com maneira artesanal, além de mão de obra reduzida e especializada. Foram usadas placas de 15 mm de OSB para o fechamento das paredes, formando um “sanduíche” com 5 cm de distância entre elas, o que proporciona um melhor conforto e isolamento termo-acústico e possibilita a passagem da fiação elétrica de forma simples e racional.

A escolha do sistema de construção seca com OSB foi feita pela facilidade e rapidez de montagem, além de sua resistência, leveza e textura visual, que deixa aparente o conceito orgânico e o partido ecológico do projeto, visando o mínimo impacto ambiental e a máxima integração com a natureza.

O custo da obra foi reduzido em função do preço do material, da redução do tempo de construção, do sistema construtivo e da mão de obra.

www.iabpr.org.br

www.masisa.com/

arquitetandonanet.blogspot.com

 inst0

 

casa

Autor: - Categoria(s): construção, desenhos, fornecedores para obra, pergunte que respondo, sustentabilidade Tags: , , ,
11/11/2009 - 18:01

Vidro ou Policarbonato?

Compartilhe: Twitter

Olá!!!
Pretendo cobrir a caixa da escada de 2,60×4,00 da minha casa com vidro ou policarbonato.
Qual o mais indicado, em função do barulho que faz quando chove forte?

O a telha de vidro comum é melhor?
Por favor me ajude a decidir…
 

Olá Rosa, muito bem lembrado, vidro ou policarbonato?Existem vantagens e desvantagens.O policarbonato geralmente vai custar uns 30% mais barato e  sua estrutura também, pois é um material mais leve e pode trabalhar bem com aluminio.Só que quando chove…

O vidro  pode ser mais resistente  e ter maior durabilidade se for laminado e portanto bem mais caro, mas fará bem menos barulho.

Comparando vidro laminado  com policarbonato compacto , o vidro será mais caro porém terá melhor desempenho acústico e maior vida útil.Os dois produtos você irá encontrar em vários tipos de cores e uma preocupação de desempenho térmico que é outro fator que você deveria se preocupar.O policarbonato compacto tem adição de filme que filtra porcentagens de luz solar, idem os vidros laminados, com a especificação para isso.

Cuidado para não cosntruir uma caixa de luz e fazer dela um forninho!

É preciso bolar com seu construtor ou fornecedor, uma saída de ar lá em cima fazendo o efeito “chaminé”, assim você tem uma ventilação cruzada e ajuda a refrescar a casa pela escada.Importante disso é poder controlar esta abertura, já que nos dias frios você pode precisar do efeito ao contrário!!!Fora os insetos etc.

Os vidros tem um peso bem maior, então contrate empresa credenciada que fará um projeto sob medida, de preferencia para empresas tocadas por engenheiros ou arquitetos. Hoje posso te indicar a VOCON aqui de  São Paulo

 

Foto026

42269590_1

principal_centro_02

monteiro ribeiro 

 monteiro ribeiro coberturas

cobertura Silent Gliss

 
cobertura Silent Gliss

A cobertura Silent Gliss está sendo considerada uma verdadeira evolução de tecnologia e design no controle da luminosidade e o calor em greenhouses e ambientes com tetos ou coberturas em vidro. Este sistema de proteção solar tem uma excelente relação custo/benefício e protege objetos de decoração, pisos e quadros dos raios solares.

Guiado por dois trilhos laterais, o tecido forma dobras elegantes com a aparência de uma cortina Romana e traz um toque clássico ao projeto. Os trilhos podem ser curvados e adaptados às várias formas e inclinações de teto de vidro, atendendo com facilidade projetos complexos ou com alto nível de dificuldade.

Algumas informações do fornecedor PRODUTEK que trabalha com policarbonato:

 

  • Coberturas em policarbonato ( Transparência) – Nos ambientes onde são instaladas
  • as coberturas em policarbonato tem um aproveitamento da luz natural, criando uma sensação de amplitude em locais reduzidos, principalmente quando são escolhidas as cores claras para fazer a cobertura em policarbonato 
  • Coberturas em policarbonato (Segurança ) – As coberturas em policarbonato são inquebraveis , o policarbonato são excelentes para substituir o telhado em diversas areas , o policarbonato suporta impactos, o policarbonato resiste ao sol ..
  • Menor Peso – As chapas compactas pesam metade que as de vidro e as alveolares têm apenas 10% de seu peso.
  • Estética – As chapas de policarbonato, para uso externo, possuem um tratamento contra o ataque dos raios ultra-violeta, mantêm a transparência e a resistência ao impacto ao longo dos anos de exposição direta ao sol.
  • Versatilidade para seus projetos – Podem ser usadas em formas planas, como janelas e tetos, por exemplo. Adaptam-se também a formas curvas, com raios menores que os permitidos pelo acrílico. Em projetos mais sofisticados, o policarbonato pode submeter-se ao processo de termoformagem a quente e manter suas propriedades originais.
  • Uso contínuo – As chapas de policarbonato podem receber uma proteção superficial anti-risco ou auto-limpante. Com essa proteção especial, podem ser utilizadas em portas de acesso, vitrines, aparadores e balcões. Ficam perfeitas para utilização em locais sujeitos à abrasão e que exigem limpeza constante.
  • Prevenção de incêndios – Por ser um material auto extinguível, o policarbonato evita a propagação de fogo e os gases gerados são menos tóxicos que os do acrílico.
  • Economia – O peso necessário de uma estrutura que suporte a chapa de policarbonato é muito menor que a do vidro, o que se traduz em uma enorme economia.
  • Os gastos com manutenção são muito menores uma vez que a manutenção é mínima. As chapas podem ser manipuladas no local onde será realizada a instalação. É mais eficiente no aspecto térmico, uma vez que sua condutibilidade térmica é menor que a do vidro.Graças a sua propriedade retardante de combustão, os custos atribuídos a segurança contra incêndio não necessitam de maiores investimentos.
  • Alveolar – Chapa de policarbonato alveolar, com tratamento contra o ataque dos raios ultra-violeta em um dos lados, também pode ser curvada a frio.
  • As chapas de policarbonato alveolar podem ser utilizadas nas mais variadas situações, tais como: coberturas de piscinas, sheds, lanternins, clarabóias, jardins de inverno, garagens, estufas de plantas etc.
  • Compacta – Placa maciça, com tratamento contra os raios ultravioleta em um ou dois dos lados.
  • Por sua transparência o policarbonato compacto é muito semelhante a um vidro temperado/laminado, porém com possibilidade de ser curvado a frio e com uma resistência a impacto muito superior.(250 vezes mais que o vidro)
  • Telhas – As telhas em policarbonato possuem tratamento contra o ataque dos raios ultravioleta, garantindo assim uma vida útil muito maior do que as telhas de fibra de vidro ou PVC, não amarelam ou perdem transparência. Recomendadas para todas as aplicações onde se requeira iluminação natural com baixo custo.
Autor: - Categoria(s): dicas, fornecedores para obra, pergunte que respondo Tags: , ,
09/11/2009 - 10:20

Quarto de empregada é multiuso

Compartilhe: Twitter

Desculpa, mas ainda não entendi onde podemos enviar perguntas, etc…
O blog é fantástico, com dicas bem bacanas.
Gostaria que vc postasse algumas dicas para transformar o quarto de dependência em escritório e área de estudo.

Abs,

Olá Solange!As perguntas são os próprios comentários mesmo, só que infelizmente não consigo responder de todo mundo!!Quem sabe se vocês pedirem a IG eles  me autorizarem eu poderia responder umas 10 perguntas por semana!
Bom , quanto à sua dúvida, vamos lá.
Quartos de empregada geralmente têm 1,40×1,90…Aliás que absurdo estas construtoras nos entregam!!!Greve contra isso já!
180_Planta de iluminação 2-Layout1
 
Neste layout simplificado acima vemos uma bancada de 55com de profundidade simples, gaveteiro para pastas supensas sob a bancada para documentos, e sobre a bancada locar outro armário que poderá ir até o teto para livros, pastas etc com 35cm de profundidade.Os acabamentos podem ser de laminado branco texturizado ou os que imitam a madeira para aquecer o visual.No armário superior pode fazer com portas deslizantes de vidros ou basculantes.Entre a bancada e o armário superior deixar de 50 a 60cm de folga na alturaNesta parte poderá colocar um panile de fotos ou mural de recados e lembretes feito de metal, lousa ou cortiça pintada.Não esquecer de uma boa iluminação fluorescente sob o armário de cima.
 
Vai ficar lindo!
 
 
 
Autor: - Categoria(s): condominios, desenhos, pergunte que respondo Tags: ,
03/11/2009 - 16:52

Log home ou Casa de tora

Compartilhe: Twitter

Não achei o local para perguntas e dúvida por isso estou postando aqui.
Fiz um quarto TV para as crianças com toras de eucalipto, uma cima da outra criando paredes. O que usar para vedar as frestas grandes que ficaram entre uma tora e outra?

Olá Luciano.Atualmente, os movimentos ambientalistas e a conscientização popular sobre a finitude dos

recursos naturais pressionam para que as atividades na construção civil adotem soluções e

critérios construtivos menos impactantes, que garantam o manejo e o uso das edificações

alicerçadas em bases conceituais sustentáveis.Então é muito válido fazer uma cosntrução neste sentido, mesmo que seja pequena!

Untitled-2

Entre as espécies de reflorestamento cultivadas, o eucalipto é um gênero de rápido

crescimento, com boa aparência, características físicas e mecânicas razoáveis e com

condição de melhoramento, facilitando o seu uso como matéria‐prima alternativa no

mercado madeireiro. No âmbito da construção civil, o eucalipto é amplamente utilizado de

forma transitória (escoras, formas e andaimes), na execução de obras de engenharia em

geral (pontes, pórticos, etc.) e em edificações comerciais e residenciais, na forma roliça,

serrada ou laminada e colada.

 

Abaixo algumas dicas importantíssimas para quem está pensando em construir em madeira toda a casa que pesquisei em  dissertações de Cristina Steiner e Emanuella Sossai Altoé

ÁREAS CRÍTICAS – MEDIDAS PREVENTIVAS

Elementos estruturais dos pisos

térreos das edificaçõesUtilizar fundações de concreto tipo sapata corrida, com o piso elevado do

solo, provendo drenagem superficial ao redor da edificação.

Untitled-1 

Locais enclausurados, úmidos e

mal arejados, exemplo: espaço entre barroteamento

Propiciar ventilação do espaço entre o barroteamento e o solo, com o

envenenamento do solo.

Untitled-5

Untitled-6

Canalizações de água e esgoto

fixos na madeira

Propiciar o acesso fácil a rede de água e esgoto. Não deixar a madeira em

contato com a umidade, colocando uma interface de material impermeável.

Untitled-3

Batentes de portas e janelas em

contato com paredes úmidas

Impermeabilização, emprego de espécies mais resistentes e proteção de

pintura a óleo.

 

Tacos, assoalhos, assentados

sobre pisos em que a água do solo tenha acesso por capilaridade

Impermeabilização do contra‐piso em argamassa e a utilização de sarrafos

de fixação com pintura impermeável, deixando espaços entre a última

tábua do assoalho e a parede.

Untitled-4

Peças de madeira em áreas

úmidas como cozinha e banheiro.Receber revestimentos impermeáveis, tais como: tinta esmalte e tinta óleo,

tomando‐se cuidado nas extremidades das peças.

 

Lambris externos

Distanciamento mínimo recomendado do solo de 30 cm. Quando se trata

de dois pisos a transição dos lambris externos verticais deve receber

proteção metálica fazendo o papel de pingadeira. Emenda de topo dos

lambris devem sempre deixar espaço na sua junta.

 

Elementos estruturais em

contato direto com o solo ou embutido em concreto

Tratamento por processo de impregnação pressurizada. Sugere‐se que o

concreto não seja impermeabilizado, pois normalmente na sua interface

surgem frestas que permitirão infiltrações de águas de chuva. É importante

garantir a drenagem do concreto. Uma solução é utilizar dispositivo

metálico deixando a extremidade do pilar ventilado.

 

Peças de telhados, próximas a

rufos, calhas e telhas.

Devem receber atenção especial no seu detalhamento e as peças que

ficarão em contato direto com as telhas devem receber tratamento

químico, além de adotar medidas visando facilitar a substituição das

mesmas.

Os topos expostos das peças de madeira da cobertura (caibros,

terças) absorvem umidade com maior facilidade.

Untitled-7

Detalhes construtivos para proteger estas extremidades; corte em ângulo

reto das extremidades dos caibros; colocação de peças como testeira que

evitam a exposição direta das extremidades possibilitar maior rigidez do

beiral.

 

Fendas, juntas e áreas ao redor de conectores como parafusos,

pregos, etc.

Além do desenho, pode‐se fazer uso de borracha como espaçadores de

maneira para não permitir a permanência de água.

Soleira inferior do diafragma e os topos inferiores dos

montantes verticais.

Necessitam de cuidados em relação à umidade do solo. Os usuários devem

receber uma orientação sobre a prática de limpeza interna da edificação,

como não lavar o piso por exemplo. Caso o piso for cerâmico, o rodapé

deve ser do mesmo material cerâmico (10 cm).

  

 

 

 

 todas as imagens pertencem a:

http://www.fapes.es.gov.br/publicacoes/anexos/3-01/69/dissertacao_final.pdf

 

 

 

O Tratamento das frestas existentes em peças internas  como foi citado pelo internauta podem ser seladas com mastique, produto espanhol à base de silicone,

que além de resgatar a estanqueidade da tora, possui como vantagem estética o tom

aproximado à cor da madeira (figura 100).

Segundo informações cedidas pela empresa responsável o produto utilizado por ela

 

 

apresenta bom desempenho, mas não é encontrado no país. Quando não é feita a aquisição,

dependendo da situação de uso, utilizam o silicone transparente que, apesar de não

proporcionar um efeito estético favorável, mantém a estanqueidade da peça.

 

Untitled-9

 

 Figura 100 – Peça com a utilização de mastique

Autor: - Categoria(s): construção, dicas, pergunte que respondo, sustentabilidade Tags: , , , , ,
Voltar ao topo